Início » Blog » Filosofia e Teologia

Filosofia e Teologia

Filosofia e Teologia: Acrescentando agora: 01 06 2015, 16ºº Tenho um problema com o tempo que tenho. Com o resto que me resta. O tempo passa,e nós com ele.
TEMPO PARA PENSADORES. O tempo para coisas maiores se tira de coisas menores. Para ter tempo para coisas importantes, precisa deixar de lado (passar por cima, pular) coisas de importância menor. Suaviter in modo, fortiter in re. Força na Proposta, suavidade na maneira de propor. Nunca tentar obrigar, forçar, exigir, impor, cobrar!
As situações que me foram dadas a viver me fizeram ver a missão que tenho a realizar. Preciso fazer o que posso para vencer as trevas do relativismo racionalista nas ciências deste mundo. Devo ajudar a superar a confusão de valores morais no nosso século. Colaborar para reconstruir os fundamentos racionais da fé. Tudo isso para colaborar na Construção de um mundo melhor para todos.
Argumentos complicados não conseguem alcançar a maioria dos homens do nosso tempo. Com tantas novidades a surgir nas notícias e tantas propostas apresentadas todo dia com propaganda insistente, quem ainda consegue achar um tempo para pensar? Nas escolas sobram estudos sobre pensamentos de filósofos, mas falta filosofia, reflexão pessoal. Faltam Pensadores, na Igreja e no mundo. A tarefa mais difícil é comunicar seus pensamentos e ajudar a pensar, a refletir, e a oferecer seus pensamentos. Este mundo não precisa de estudantes que fiquem decorando teorias de Filósofos de outros tempos. Precisamos de filósofos.
PRECISAMOS DE TEÓLOGOS. O estudo da teologia não pode limitar-se decorar teorias de Teólogos do passado. Tenho a impressão que já existem até teólogos sem fé. Alguns estudiosos de hoje fazem sucesso com livres pesados de velhas teorias de antigos teólogos escritores.
Cheios de preconceitos pseudocientíficos, alguns deles nem aceitam o valor histórico dos textos escritos no Novo Testamento. Quanto ao AT, é jogado quase todo na categoria da mitologia. Adeptos de Bultmann querem dedetizar tudo com o veneno da desmitologização. Nem nos Evangelhos não querem ver a Palavra de Deus, nem mesmo no Cristo. Não enxergam nos milagres sinais da presença de Deus que veio estar conosco para que possamos estar com ele desde agora e participar da vida divina.
Livros de novos "teólogos" deixam ver a confusão que reina no campo da filosofia e da teologia. Num relativismo absoluto conservam noções tradicionais como Filho de Deus, Encarnação, Trindade, Criação, mas alteram e esvaziam o conteúdo dessas palavras essenciais da fé dos cristãos. Dos católicos, pelo menos.
Como podemos ajudar os leitores deste século cheio de ciências a perceber o valor histórico dos textos do Novo Testamento e reconhecer no Evangelho a Palavra de Deus para nós? Como contribuir para que possam crer mesmo sem ver as intervenções do poder de Deus nos milagres realizados para apoiar a fé daqueles que viram e creram como Tomé? Jequié, 03 02 2015 + Cristiano Krapf, aposentado, mas não parado
Filosofando
Pensamentos para Pensadores. Com algumas Provocações:
Vivemos num mundo cheio de doutores em filosofia que encheram a cabeça de teorias de escrevedores famosos chamados de filósofos.
Mais importante do que ter título de doutor em filosofia é ser filósofo, é pensar com a própria cabeça, é procurar respostas pessoais aos problemas essenciais da nossa existência.
Um filósofo que não quer saber de metafísica é garimpeiro que não quer cavar.
Excluir a questão da verdade é desistir da filosofia, é entregar os pontos antes de lutar.
Não existem filosofias. Existem muitos que pretendem ser filósofo, mas filosofia só existe uma.
Procurar a filosofia é vocação de todo ser humano.
Dizer que não se pode saber onde está a verdade, é desistir antes de procurar.
Ser estudante de filosofia é ter atitude de criança, ter sempre mais alguma coisa a perguntar.
Por outro lado, é aprender também com respostas dadas por outros.
É perceber que são provisórias as respostas das ciências.
Uma sugestão para estudantes de filosofia que se preparam para cursos de teologia: Procurar um aprofundamento pessoal nas questões filosóficas básicas, com ajuda de livros bem escolhidos. Problemas:
Como saber quais são as árvores melhores nas florestas das bibliotecas?
Como encontrar as pedras preciosas no cascalho das livrarias?
Garimpei este texto em coisas achadas no início da década.
Jequié, 2015 + Cristiano Krapf, aposentado mas não encostado.
✝ Dom Cristiano Krapf
publicado em: 31/05/2015